Reportagens sobre Desenvolvimento de Carreira

Notícias para Empreendedores

Notícias sobre Mídia e Marketing

22 de ago de 2009

Onde é que desliga isso?




Escrito por Gustavo Vannucchi


Você notou como as pessoas, quanto mais ligadas estão, mais desligadas estão?
Ok, nada haver,... Reconheço, essa foi uma frase meio esquisita, mas você vai concordar comigo.
Hoje, graças a internet 2.0, laptops e smart-phones, estamos cada vez mais conectados às notícias e outras pessoas no mundo todo. Estamos re-encontrando amigos que não víamos a muito tempo, colegas de trabalho que, as vezes, trabalham no mesmo prédio mas em andares diferentes. Isso é fantástico, mas tem seu preço.
Você já notou como cada vez mais a sua capacidade de “muti-tasking” te afastou das pessoas? Você não liga mais para a pessoa, manda um SMS, um email... Não ouve a voz. Quando conversa em pessoa, olha pro Celular ou pro PDA, ou ainda pra tela do computador. Tecla enquanto “ouve” o que a outra pessoa fala. Junto ao som da voz agora tem o barulho das teclas.
Meu instinto de “marketeiro” me diz: como fazer pra usar isso tudo pra vender mais?
Meu lado “interneteiro” me diz: isso é natural, afinal, enquanto escrevo esse post, toca o sino da igreja aqui perto, ouço a CNN falar sobre a liberdade de Lockerbie, a janelinha do MSN pulando aqui porque, enquanto escrevo, também converso com um amigo.
Meu lado humano não diz nada. Está muito ocupado com o lado interneteiro e marketeiro ☺
A verdade é que não consigo deixar de notar como as pessoas estão cada vez mais ligadas a esses aparelhos, como se estes estivessem plugados (acho que wifi seria mais adequado) ao cérebro sugando toda sua energia. Como se tivéssemos nos tornado em zumbis, escravos da tecnologia.
Nos ônibus, trens, metrôs, carros. Na fila do banco ou do correio. No almoço. Na janta. Na cama. Não tiramos os olhos do computador. Tudo hoje é “mobile”. Tudo precisa estar alí, a mão.
Eu que viajo bastante gosto da idéia de ter um iPhone na mão, parar na frente de uma igreja, digamos na Itália, e com poucos clicks ter o wikipedia me dizendo tudo a respeito daquele prédio. O turismo deixa de ser um passeio e começa a ser uma aula completa.
Gosto também da idéia de o iPhone, assim que descobrir que estou na frente daquela igreja, me dar a sugestão de ir comer em algum restaurante ali perto ou saber que há uma loja de aluguel de carros ali por perto também.
Não gosto do fato de isso me isolar. De deixar de ter o guia turístico que me conta aquela historia fazendo uma piadinha e falando como se contasse tudo aquilo pela primeira vez.
A idéia que fica pra nós que trabalhamos duro, com computadores e celulares a mão, é que não esqueçamos de nos “desligar” no Happy Hour ou no fim de semana. Curtir amigos e família. Fazer um churrasco ou ir ao museu. Passar duas horas dormindo no sofá ou jogar um futebol, ir na academia.
A vida é mais do que trabalhar e muito mais que “se conectar”.

Revisão de versão publicada em dezembro de 2008.

3 de ago de 2009

Padronização do "PDV" nos tempos de crise! Necessidade ou Utopia?

Por: Renato Santhinon

Não é difícil de perceber o quanto mudou no decorrer desses anos o modo de abordagem e apresentação de produtos em seus canais de venda, o publico mudou, a tecnologia evoluiu, a concorrência cresceu entre outros motivos.No entanto dentro de tantas inovações e melhoras um quesito vem preocupando especialistas a cada dia “ESPAÇO” , ele hoje é não só moeda de troca, bem como fica monopolizado na mão de grandes redes e industrias com suas estruturas gigantescas possuem um poder de posse ou barganha enormes.Temos casos recentes divulgados aqui mesmo no PDV News da fabricação de 16 mil displays de um único produto, dá pra imaginar que o Brasil poderia acolher muito mais do que isso? Sem dúvidas, pois existem canais de PDV que passam das centenas de milhares, assim mostra que ainda temos um pouco de tempo para nos planejarmos, para que no futuro (que pode estar bem próximo) o Ponto de Venda se torne uma ditadura, com imposições de design e espaço, o Mercado de Merchandising vem otimizando a cada dia esse espaço no PDV, hoje encontramos Pontas de Gôndola personalizadas, Ilhas e Quiosques monstruosos acolhendo linhas inteiras de produtos da empresa, temos as personalizações de gondola, com suas réguas retráteis, suas testeiras em diversos modelos e formatos.
Quem nunca gastou mais do que sua própria necessidade ao chegar no checkout onde diversos displays sobre o balcão e pendurados a sua volta fazem os sentidos ficarem aguçados, com seus chicletes, balas, chocolates, versões reduzidas de biscoitos, pilhas (essa todo mundo sempre esquece durante a compra por ser considerado supérfluo, ai o grande motivo de estar sempre por ultimo, dizendo pra você “ou você me compra, ou vai ter que se levantar do sofa muitas vezes para as suas centenas trocas de canais”, isso parece até uma anedota, mas é a pura realidade, as estratégias de marketing são feitas (pelo menos deveriam) baseadas no comportamento do consumidor.
Outrora devemos analisar a poluição visual nos Pontos de Venda, o que torna o simples ir ao supermercado ou grande magazine muitas vezes uma tortura. Na minha opinião as empresas teriam que pensar na interação do seu Ponto de Venda com o restante do ambiente, pensar na sua própria identidade visual e na do seus clientes é muito importante e pouco aplicada, poderia citar muitas trapalhadas e desastres no PDV, até com grandes empresas isso acontece, mas agora isso não vem ao caso, pois ficaria dias aqui escrevendo e discutindo sobre o assunto.
No momento o que me preocupa é a falta de padronização e cultura na criação de conceito dos Pontos de Venda onde muitas vezes o acesso da pequena e media indústria fica prejudicada ou sem o retorno dos investimentos empenhados.A única solução é planejar com antecedência, contratar empresas e profissionais especializados, treinar sua equipe de Trade Maketing e Merchandising, com a criação de manuais e procedimentos padrão para organização do produto no PDV de maneira adequada e claro utilizando métodos alternativos e de grande eficiência como o Cross Merchandising e o Co-Branding muito utilizados hoje em dia.
Autorizado por:
Renato Santhinon é publicitário e especialista em Merchandising em Ponto de Venda, que atua na área de criação, produção e implatação de materiais para PDV. (renato@pdvnews.com.br)